Plano de Aula | Multimídia | Glossário

Olá Visitante 

Copa 2014

A polêmica sobre a abertura do torneio

12/11/10

Projeto do estádio corintiano

Na contramão dos números, o Estádio do Morumbi foi descartado pela Fifa por não ter apresentado as garantias financeiras exigidas pela entidade. Saiba mais sobre o impacto do orçamento do novo estádio para a cidade, que será construído na zona Leste

Milena Oliveira

A polêmica que envolve a construção de estádios para a Copa do Mundo de 2014 já se arrasta há mais de seis meses e está longe de terminar. Na última semana (08/11), a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou que o jogo de abertura do torneio será em estádio que começará do zero, em Itaquera, na zona Leste de São Paulo, o que causou polêmica no meio. O terreno foi concedido em 1988 pela prefeitura de São Paulo ao Corinthians para a construção de seu próprio estádio, mas o projeto ainda não saiu do papel. A decisão ainda não foi oficializada pela Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa), única com poder de veto na decisão.

A decisão do Comitê Organizador Local (COL) do evento, presidido por Ricardo Teixeira, responsável pela CBF, na contramão do que se esperava, teve apoio da Fifa. Segundo a entidade máxima do futebol mundial, o estádio do Morumbi não teria apresentado as garantias financeiras exigidas pela organização.

Os dirigentes do São Paulo Futebol Clube (SPFC), clube proprietário do estádio, chegaram a apresentar cinco propostas reformuladas com base nas exigências da Fifa, orçadas em 250 milhões de reais, para a reforma do Morumbi com financiamento privado. O projeto da Fifa, no entanto, previa gastos de 600 milhões de reais para atender aos requisitos impostos pela entidade, o que inviabilizou a candidatura do estádio.

Tudo sugere que o indicado para o jogo de abertura não passou pelos mesmos critérios. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo (veja ao lado), o presidente do Corinthians, Andres Sanchez, afirma que a CBF, o governo de São Paulo e a prefeitura da cidade indicaram o futuro estádio do clube sem terem visto o projeto.

O estádio também está projetado para uma estrutura de custo menor (400 milhões de reais) do que a expectativa da Fifa. O valor será financiado pela construtora Odebrecht em troca da cessão do direito ao nome do estádio. Ainda não se sabe a origem dos 200 milhões que faltam para que a conta seja fechada.

A seguir, você sabe mais sobre o que a construção de um empreendimento como esse significa para a cidade, a política que define as decisões do futebol e o que ensinam os eventos esportivos do passado.

Política do futebol

Futebol, paixão e Copa do Mundo
Kassab já avisou Juvenal. “A abertura da Copa em Itaquera é irreversível”…
A discussão trouxe à tona uma antiga rixa entre Ricardo Teixeira, considerado o maior ‘cartola’ do futebol brasileiro, e Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo Futebol Clube.

Em abril deste ano, Juvenal foi um dos principais articuladores a favor da continuidade de Fábio Koff na presidência do Clube dos 13, entidade que defende os interesses dos maiores clubes brasileiros e que diminui a influência de Teixeira sob parte dos negócios que envolvem o esporte; a indicação era contrária aos interesses do presidente da CBF.

O Brasil pode (querer) ser o "maior do mundo"?
Novo estádio do Corinthians parece melhor do que Piritubão, mas essa história ainda é nebulosa
Comentaristas esportivos, como Cosme Rímoli, que mantém um blog dentro do Portal R7, avaliam que o episódio teria sido um dos fatores que influenciaram o COL a impor diversas barreiras à candidatura do estádio do Morumbi (veja ao lado).

“Até agora não ficou claro para ninguém por que o Morumbi não serve. Para mim, pelo menos, não ficou clara até hoje qual é exatamente a crítica em relação ao Morumbi”, afirmou em seu blog a especialista em urbanismo Raquel Rolnik (veja ao lado).

Orçamento público

Conheça a Universidade do Futebol
Sob a grandiosidade dos investimentos da Copa, paira a sombra do superfaturamento, dos desvios de dinheiro público e do jogo de poder que reina no universo do futebol e da política, que não beneficiam o cidadão brasileiro.

Os jogos Pan-Americanos, que aconteceram no Rio de Janeiro em 2007, deixam evidente o porquê da preocupação. Cotado inicialmente em 414 milhões de reais, os gastos saltaram para 3,7 bilhões, como mostra a matéria “O preço da festa”, publicada em julho neste site. De olho em gastos vultosos é que se tem
Dois lances e uma sugestão
questionado a necessidade versus os benefícios dos novos empreendimentos.

Sócrates, ex-jogador do Corinthians, opinou em sua coluna (veja ao lado), na revista Carta Capital: “O ideal seria centralizar o investimento e o jogo de abertura no Rio de Janeiro [estádio do Maracanã], já que a Olimpíada também vai ser lá. Dessa forma, os desvios e o desperdício seriam
Futebol no Brasil e no mundo
menores”. O último jogo da Copa de 2014 acontecerá no estádio carioca.

Quem compra esta briga?
E foi ainda mais taxativo em outra coluna (veja ao lado): “Num país ainda por se desenvolver, às voltas com imensos problemas sociais e econômicos, a regra continuará a mesma: construir ou reformar vários estádios inviáveis, irracionais e que provocarão um desperdício de recursos dos quais nós não poderíamos prescindir para minimizar as múltiplas carências nacionais.”

Segundo o secretário-geral da Fifa, a competição na África do Sul rendeu ao menos 3,2 bilhões de dólares à Fifa, receita 50% maior que a obtida na Alemanha quatro anos antes. Para a economia sul-africana, por sua vez, o negócio foi bem menos vantajoso. Estima-se que o evento deixou para a economia do país 4,9 bilhões de dólares, valor inferior aos 6 bilhões de dólares desembolsados pelo país para sediar o evento.


Edição: Carolina Lopes

Conheça a equipe do Jornalismo Educativo


Tags da matéria
áfrica, brasil, brasileira, cartola, cbf, clube, col, comissão, comitê, copa, Copa do Mundo 2014, corinthians, estádio, fábio, fifa, futebol, itaquera, juvenal, juvêncio, koff, local, morumbi, mundo/ 2014, organização, pan, ricardo, são paulo, sócrates, teixeira, zona leste

Matérias Relacionadas

Compartilhe:
  Gostaria de acompanhar esta e outras notícias relacionadas!

Comente






restam 500 toques



 
Tags
  Corrupção no DF Pré-sal santos dumont independência do brasil lula amazônia militar francês espaço aéreo soberania nacional caça rafale efeito estufa gases poluentes quioto Aquecimento Global clima mudanças climáticas COP-15 distrito federal arruda  
Notícias relacionadas
Clube dos 13: Teixeira, Globo e Del Nero, grandes derrotados
Morumbi está fora da Copa-2014, diz jornal
Morumbi entre políticos e cartolas
São Paulo entrega novo projeto do Morumbi e agora espera posição da Fifa
Quem vai impor limites?
Novo estádio do Corinthians receberá jogos da Copa de 2014
Itaquera, o projeto que (quase) ninguém viu
Itaquerão é escolhido para abrir Copa mesmo sem garantia financeira para ampliar arquibancada
Promotor diz que construção do estádio do Corinthians é ilegal
A Copa do Mundo, a Olimpíada e as “cidades de exceção”
CBF, governos e prefeitura não viram projeto do estádio corintiano, revela Andres Sanchez



Proposta | Expediente | Fale conosco | Cadastre-se